Marca Flex Eventos
Flex 30 Anos

Nova Sede Banco do Brasil

O Edifício Banco do Brasil será composto por três torres, sendo que a primeira fase foi entregue este ano e as duas seguintes estão previstas para outubro de 2015 e abril de 2016. Na primeira fase (Torre Sul), o Conselho Diretor (Presidente e Vices) e mais 13 unidades estratégicas já estão ocupando o prédio.

Nova Sede Banco do Brasil

Texto | Flex Editora

O projeto apresenta um conceito que valoriza o espaço interno com circulação livre e iluminação natural. A implementação de ambientes diferenciados favorece a interação entre os funcionários.


Qual o maior desafio:

Abrigar o Centro Administrativo BB que atualmente enfrenta o esgotamento da capacidade física de ampliação dos seus órgãos da Direção Geral em Brasília. Os sistemas de infraestrutura encontram-se em situação precária e no limite de operação. As Vice-presidências e, muitas vezes, as próprias Diretorias, atualmente têm ocupado áreas de forma fragementada e inadequada, com padrões visuais desatualizados.

À necessidade de implantação de um novo espaço para abrigar o Centro Administrativo BB, agregou-se a busca de melhores práticas de desenvolvimento humano, eficiência operacional e sustentabilidade.


Caraterísticas do projeto:

Os principais requisitos estabelecidos pelo Banco do Brasil para implantação do Centro Administrativo BB foram: construção sustentável com conceitos inovadores, além de localização privilegiada.

Além do projeto de ambiência, o projeto do mobiliário e divisórias é de autoria da equipe de arquitetos e designers do próprio Banco do Brasil e está de acordo com os requisitos legais de ergonomia e sustentabilidade.

O projeto de ambiência do Centro Adminstrativo Banco do Brasil baseou-se nas seguintes premissas;

- áreas de trabalho tipo "open space" onde os funcionários trabalham de forma integrada,

- utilização de circulações bem definidas que tornam os fluxos mais diretos e claros,

- utilização das cores institucionais do Banco do Brasil nos ambientes de trabalho (azul e amarelo),

- criação de ambientes de reuniões rápidas e ilhas de impressão distribuídos pelo salão de trabalho em locais estratégicos,

- utilização de arquivos deslizantes para promover maior centralização e organização no processo de arquivamento de documentos,

- integração dos Comitês com o salão de trabalho,

- criação de salas de videoconferência e reuniões para as diretorias,

- criação de copas secas nos pavimentos que são utilizados para lanches rápidos e espaço de "descompressão",

- utilização de presianas rolô, incrementando o conforto ambiental - maior performance no controle térmico e menor obstrução visual,

- disponibiliação de espaço conveniência: praça de alimentação, Posto de Atendimento Bancário, Espaço Gourmet (onde os usuários podem fazer suas refeições) e Espaço QVT (onde são desenvolvidas atividades que promovem a Qualidade de Vida no Trabalho),

- implantação de controle de acesso.

 

Essas premissas buscam os seguintes benefícios:

a) Ganhos de eficiência operacional – gestão da infraestrutura e eliminação dos deslocamentos para reuniões e encontros entre as áreas;

b) Ganhos de eficiência energética –conjunto de soluções permitem o uso racional da energia elétrica e da água;

c) Ganhos de sinergia – unidades estratégicas e de negócios no mesmo imóvel;

d) Ganhos de produtividade – ambientes de trabalho fisicamente mais adequados, que tendem a influenciar positivamente o processo produtivo;

e) Ganhos de qualidade de vida – espaços que propiciam melhor convivência, restaurantes, lanchonetes, agências bancárias, dentre outros;

f) Ganhos de imagem – percepção positiva proveniente da ocupação de um prédio eficiente e sustentável pela sua Superior Administração da Empresa .

 

Diferencial:

- Espaço sustentável: avalia a relação do empreendimento com o ambiente onde implantado – com oferta de transporte e serviços, bicicletário, vagas destinadas a veículos de baixa emissão de poluentes, processo de tratamento da água pluvial e vagas do empreendimento cobertas em pavimentos subterrâneos.

- Uso racional da água: previsão reutilização da água residual e da água da chuva e da condensação para irrigação.

- Energia e atmosfera: sistemas de monitoramento do consumo de eletricidade e utilização de iluminação de alta eficiência.

- Materiais e recursos: utilização de materiais de construção sustentáveis e com conteúdo reciclado, sistema de coleta interna seletiva e utilização de materiais produzidos em regiões próximas (estimulando o desenvolvimento sustentável).

- Qualidade ambiental interna: conforto ambiental do usuário com iluminação natural, vidros com baixa condutividade térmica e alto isolamento acústico.

 

Planta

Planta pavimento tipo


Ficha Técnica

Arquitetos e Designers:

- Raul Hofliger
- Luciana Ladeira Fernandes
- Adriana de Moura Suzano
- Alayksa dos Santos Pimenta
- Luiz Carlos Fernandes Pereira